Campanha da França
parte da Segunda Guerra Mundial
Bundesarchiv Foto 101I-055-1599-31, Frankreichfeldzug, Panzer IV.jpg
Panzer IV avançou profundamente em território francês
Encontro10 de maio a 25 de junho de 1940
LugarBélgica , Holanda , Luxemburgo , França
ResultadoVitória alemã e rendição incondicional da França
Implantações
Comandantes
Eficaz
Alemanha :
141 divisões [1]
7.378 canhões [1]
2.445 tanques [1]
5.638 aeronaves [2]
Total: 3.350.000 soldados
Itália :
300.000 soldados nos Alpes [3]
França
144 divisões [1]
13.974 canhões [1]
3.383 tanques [1]
2.935 aeronaves [4]
Total: 3.300.000 soldados
Nos Alpes em 20 de junho :
~ 170.000 franceses
Perdas
Alemanha :
27.074 mortos,
111.034 feridos,
18.384 desaparecidos [5] [6]
1.236 [5] [7] -1.345 [8] aeronaves destruídas
323 [5] [7] -488 aeronaves danificadas [8]
795 tanques destruídos [9 ]
Itália :
631 mortos,
616 desaparecidos,
2.631 feridos e congelados [10] [11] *
França
401.000 mortos e feridos
1.900.000 prisioneiros de guerra franceses
2.233 aeronaves [12]
Rumores de batalhas na Wikipedia

A campanha francesa (na historiografia francesa Bataille de France , na historiografia alemã Westfeldzug ), foi o conjunto de operações militares alemãs que levaram à invasão da França, Bélgica, Holanda e Luxemburgo durante a Segunda Guerra Mundial . A campanha militar consistiu em duas grandes operações nomeadas pelo comando supremo alemão , Fall Gelb ("caixa amarela") e Fall Rot ("caixa vermelha"). A primeira operação, iniciada em 10 de maio de 1940 no final da chamada " guerra estranha " [13] , refere-se àInvasão alemã da Bélgica , Holanda , Luxemburgo e França . Enquanto a segunda operação refere-se à evasão da Linha Maginot e à consolidação do avanço na França.

A Wehrmacht , ao contrário das previsões dos Aliados, engajou a maioria de suas forças blindadas nas Ardenas com a manobra chamada Sichelschnitt ("golpe de foice"), contornando assim a Linha Maginot e pegando os Aliados despreparados . Em 10 de junho, a Itália declarou guerra à França, enquanto em 14 de junho Paris foi ocupada por tropas alemãs, e o governo francês se refugiou em Bordeaux . A França capitulou em 25 de junho. A guerra na frente ocidentalTerminou com uma espetacular vitória alemã, alcançada através do uso extensivo de forças blindadas e mecanizadas, cooperação entre as forças terrestres e a Luftwaffe e pára-quedistas além das linhas inimigas.

Uma vez concluída a paz, a França foi dividida em uma zona militar de ocupação no norte e ao longo da costa atlântica , enquanto um governo colaboracionista , a República de Vichy , foi estabelecido no sul . O Corpo Expedicionário Britânico (BEF) foi evacuado do território francês durante a Batalha de Dunquerque , como parte da Operação Dínamo , juntamente com várias unidades francesas que escaparam do cerco, durante os estágios iniciais do ataque alemão, e que formaram o núcleo das forças francesas livres sob o comando de Charles de Gaulle .

A França permaneceu ocupada durante quatro anos durante os quais foi construído um impressionante sistema defensivo, a Muralha do Atlântico , a fim de impedir os desembarques aliados na Europa continental . Somente com os desembarques na Normandia em junho de 1944 começou a campanha pela libertação da França do regime nazista .

Prelúdio

Após a campanha do ano anterior na Polônia e a chamada “ guerra estranha ”, agora era evidente que após a vitória no leste, a Alemanha nazista usaria todo o seu poder militar no oeste. Nos planos de Hitler , o ataque seria lançado em 12 de novembro de 1939 , mas seus generais conseguiram convencê-lo a adiar a invasão para o ano seguinte. Em abril de 1940 os alemães lançaram um ataque "preventivo" contra a neutra Dinamarca e Noruega ( Operação Weserübung ), essencialmente por razões estratégicas, uma vez que, especialmente a Noruegaera rico em recursos necessários para a indústria de guerra alemã e que suas bases eram mais adequadas para hospedar U-boats alemães em batalhas no Atlântico .

Em resposta a esses movimentos, um contingente aliado (constituído em grande parte por forças britânicas, com a contribuição de forças francesas e polonesas) foi preparado e enviado para apoiar o país escandinavo (ver Campanha da Noruega ). De fato, os governos da França e da Grã-Bretanha foram surpreendidos negativamente pela rápida derrota da Polônia e pelas novas táticas militares empregadas pela Wehrmacht . Nos planos militares dos dois países estava previsto que a Alemanha , como na Primeira Guerra Mundial, teria se encontrado engajado em duas frentes, determinando uma divisão de suas forças, permitindo assim que as forças aliadas contivessem melhor o provável ataque alemão a oeste.

De acordo com as previsões do comandante supremo do exército francês , general Maurice Gamelin , o ataque alemão ocorreria como o Plano Schlieffen do conflito anterior, e justamente por isso se espalhou, tanto em certos círculos políticos quanto na opinião pública. . , a crença de que uma estratégia baseada em uma sólida linha defensiva atendeu melhor às exigências da guerra moderna. Um grande complexo defensivo foi implementado, a Linha Maginot , enquanto os melhores elementos do exército francês e da Força Expedicionária Britânica (BEF) foram implantados no norte do país, na área do rio Dyle .e, uma vez lançada a ofensiva alemã, essas forças avançariam para a Bélgica e os Países Baixos .

Assim como o estado-maior francês pensava, o Fall Gelb original previa a invasão da Bélgica , e possivelmente da Holanda e, em seguida, seguindo para o sul ao longo do Canal , para a Normandia e de lá para Paris . No entanto, um acidente envolvendo um avião alemão que transportava alguns oficiais alemães com planos de invasão (o avião se perdeu no nevoeiro e foi forçado a pousar na Bélgica), obrigou Hitler a rever suas estratégias.

O novo plano alemão, embora inicialmente dificultado pelo Oberkommando der Wehrmacht (OKW), foi elaborado por Erich von Manstein , chefe do Estado-Maior do Grupo de Exércitos A de Gerd von Rundstedt , com a contribuição de Guderian , pai do panzertruppen alemão : o plano desde que as tropas blindadas do Grupo de Exércitos A, cruzando Luxemburgo , investissem o Meuse entre Sedan e Dinant , rompendo as defesas francesas nas florestas das Ardenas, considerado (apenas pelo comando francês) devido à conformação do terreno, inacessível às tropas blindadas; e de lá para ir até Boulogne e Calais no Canal , cercando assim as forças aliadas implantadas entre a França e a Bélgica , o novo plano foi chamado Sichelschnitt , (golpe de foice), apesar disso o nome original é frequentemente encontrado em documentos militares alemães .

No entanto, deve-se levar em conta que a "conversão" dos comandos alemães para a nova tática ( Blitzkrieg ) não foi completa, de fato, dentro do OKW permaneceu forte desconfiança em relação aos problemas logísticos e defensivos que o novo plano poderia deram, em particular, havia medo pelo fornecimento de armas e combustível para as tropas de assalto (a falta de suprimentos havia criado sérios problemas durante a anterior travessia das Ardenas durante a Primeira Guerra Mundial ) e pela exposição dos lados do colunas blindadas a possíveis ataques vindos dos lados; Guderian argumentou, em vez disso, que a velocidade e a profundidade do ataque impediriam o reagrupamento do inimigo.

As forças em jogo

A Wehrmacht empregou três grupos de exércitos na frente ocidental: Grupo de Exércitos A ( Gerd von Rundstedt ) com 45 divisões, incluindo 7 navios de guerra; Grupo de Exércitos B ( Fedor von Bock ) com 29 divisões incluindo 3 encouraçados; Grupo de Exércitos C ( Wilhelm Ritter von Leeb ) com 19 divisões. Este terceiro grupo manteve uma posição defensiva na Linha Maginot , enquanto a ofensiva principal foi lançada pelo Grupo de Exércitos A nas Ardenas ; com o apoio do Grupo de Exércitos B que entretanto invadia a Bélgica e os Países Baixos. À sua frente, cerca de 100 divisões francesas, poucas das quais mal armadas, além da BEF, as 15 divisões belgas e as 10 divisões holandesas. Uma clara vantagem em termos de números, que foi neutralizada por alguns fatores cruciais: a nova doutrina de guerra alemã, destinada a encontrar um único Schwerpunkt (ponto focal) para subjugar o oponente, para não falar das doutrinas militares ultrapassadas dos franceses, fundamentalmente defensivos, o que os levou a dispersar seus tanques entre as formações de infantaria para servir de apoio. Os franceses ficaram surpresos com a violência e a velocidade do ataque alemão, não tendo compreendido completamente as capacidades da nova divisão Panzer.

Além disso, os aliados não tiveram a possibilidade de combater efetivamente o poder aéreo alemão, cujo domínio do ar foi decisivo para o sucesso das operações de ruptura. As forças aéreas francesas, terrivelmente negligenciadas durante a década de 1930, puderam opor à Luftwaffe cerca de 1.200 aviões bélicos, incluindo pouquíssimos bombardeiros. A maioria dos modelos franceses estava desatualizada ou superada por seus pares alemães. As forças aéreas britânicas em apoio ao BEF também eram inadequadas em número para influenciar as operações. [14]

A invasão do Benelux e do norte da França

Forte de Schoenenbourg da Linha Maginot (novembro de 2005 ).

De acordo com os planos dos Aliados, os alemães teriam levado pelo menos 10 dias para superar a miríade de canais e rios holandeses. O ataque da Wehrmacht à Holanda foi precedido, no entanto, pela primeira operação aerotransportada da história: em 10 de maio, os núcleos alemães Fallschirmjäger (paraquedistas) da VII Divisão Aérea e da XXII Divisão de Aterrissagem, sob o comando de Kurt Student , foram saltou de paraquedas nas principais pontes sobre o Meuse , nas ruas de Rotterdam e na fortaleza belga de Eben-Emael , ocupando todos os objetivos principais e facilitando assim o avanço do grupo de exércitos B.

O comando aliado reagiu imediatamente enviando suas forças para o norte no que parecia, do lado aliado, um remake do plano Schlieffen : na verdade os franceses, empurrando seus melhores exércitos para nordeste, sem cobertura aérea adequada e com uma linha muito fraca de suprimentos, teria inadvertidamente favorecido ainda mais o avanço alemão.

De fato, a Luftwaffe , graças à experiência adquirida na guerra civil espanhola e na campanha polonesa, superou facilmente as forças aéreas anglo-francesas, impedindo assim que os comandos aliados obtivessem informações precisas sobre os movimentos das forças blindadas alemãs. Ao mesmo tempo, as forças pára-quedistas alemãs, apesar da captura de todos os objetivos predeterminados (em particular as cidades de Ypenburg , Ockenburg e Valkenburg ), estavam fortemente engajadas em Rotterdam , onde tiveram que enfrentar o contra-ataque de duas divisões de infantaria holandesas. : os confrontos, particularmente sangrentos, causaram a morte e captura de 1.745Fallschirmjäger , dos quais 1.200 foram levados para a Inglaterra .

Dada a sua situação estratégica e sob a ameaça de bombardeamento pesado por parte da Luftwaffe ( Bombardeio de Roterdão ), a Holanda rendeu-se a 15 de maio, embora ainda existissem alguns bolsões de resistência na Zelândia . Na Bélgica, o forte de Eben-Emael , considerado um dos fortes mais inexpugnáveis ​​da Europa, defendido por 780 homens, foi ocupado em 30 horas de combates ferozes por 80 soldados alemães que desembarcaram com nove planadores em sua cobertura, apesar da tentativa de chegar à fortaleza pela Força Expedicionária Britânica (BEF) que, juntamente com o II Exército Francês, foi rejeitada pelas forças do VI Exército Alemão devon Reichenau .

"A aposta das Ardenas"

Às 5h35 do dia 10 de maio, enquanto o grupo B entrava na Holanda, a operação Sichelschnitt ("ataque da foice") foi desencadeada: o XII Exército de Wilhelm List e o Panzergruppe K de von Kleist romperam na junção entre o II e o IX francês. Exércitos. Em 12 de maio, von Kleist chegou ao Meuse , Sedan , na margem direita do rio, foi ocupado por Guderian , enquanto mais ao norte, Rommel chegou a Dinant . Embora os franceses tivessem explodido todas as pontes, sob a proteção do Stukae a artilharia, departamentos de engenheiros e granadeiros conseguiram atravessar o Meuse perto de Sedan, consolidando depois as cabeças de ponte e preparando a passagem para os veículos blindados. Em 14 de maio, dois batalhões blindados franceses atacaram as forças de cabeça de ponte alemãs, mas foram repelidos pelos primeiros panzers que cruzaram o rio; de repente, então, um efeito de alucinação coletiva foi produzido entre as fileiras francesas, o que criou a ilusão de já ver os panzers alemães à sua frente .

Na noite de 14 de maio, o general Corap recuou em 16 quilômetros seu 9º Exército, facilitando assim a travessia do Meuse perto de Monthermé para o XLI Corpo do Exército Alemão . Com Corap demitido, o novo comandante, o general Giraud não conseguiu remediar o erro, de modo que também o II Exército francês do general Charles Huntziger , permanecia descoberto no flanco esquerdo, foi forçado a recuar: entre Sedan e Dinant sete divisões blindadas começaram a avançar pela grande carreira na diferença de 50 km que havia aberto na frente francesa.

A Blitzkrieg

O exército alemão entra em Paris em 14 de junho
Adolf Hitler em Paris . O ditador visitou a capital francesa mais de uma vez, a partir de 30 de junho

A Batalha da França foi enfrentada pelos alemães utilizando o melhor das táticas de Blitzkrieg , já testadas inicialmente na Polônia: a derrota do inimigo por meio de um cerco estratégico rápido, realizado por forças mecanizadas, que leva ao colapso operacional. Von Manstein certamente tinha um cerco estratégico em mente, mas as três dúzias de divisões de infantaria que seguiram os Panzerkorps não estavam ali apenas para consolidar as conquistas. Na verdade, foi o contrário, aos olhos do alto comando alemão, o Panzerkorps deveria ter realizado uma tarefa limitada.

Seus contingentes de infantaria motorizada teriam assegurado a travessia dos rios e os regimentos de tanques ganhariam domínio, consolidando as conquistas e permitindo que as divisões de infantaria se posicionassem para a verdadeira batalha – talvez uma clássica Kesselschlacht , se o inimigo permanecesse. , talvez uma luta, se ele tentasse fugir para o sul. Em ambos os casos, uma enorme massa de divisões alemãs, tanto blindadas quanto de infantaria, cooperaria para aniquilar o inimigo, de acordo com a doutrina vigente. Os Panzerkorps , no entanto, não deveriam causar o colapso do inimigo por conta própria, mas deveriam ter esperado por reforços de infantaria.

No entanto, no dia 16, tanto Guderian quanto Rommel, com um ato de insubordinação aberta para com seus superiores, desobedeceram ordens diretas explícitas e empurraram suas divisões muitos quilômetros para o oeste, o mais rápido possível, para atacar. Guderian chegou a Marle , a 80 quilômetros de Sedan, Rommel através do Sambre em Le Cateau , a cem quilômetros de "sua" ponte, Dinant. Embora ninguém soubesse a localização exata de Rommel (ele avançou tão rápido que estava fora do alcance do contato de rádio, ganhando seu 7. Divisão Panzer o apelido de Divisão Gespenster, "Divisão Fantasma"), um von Kleist enfurecido voou para Guderian na manhã de 17 de maio e depois de uma discussão acalorada o liberou de todos os deveres. No entanto, von Rundstedt, comandante-chefe do Grupo de Exércitos A, não quis saber de nada e se recusou a confirmar a ordem.

Foi difícil explicar as ações de ambos os generais. Rommel foi forçado a cometer suicídio por Hitler antes do fim da guerra e, portanto, nunca pôde esclarecer seu comportamento em plena liberdade. Após a guerra, Guderian afirmou ter agido por iniciativa própria, basicamente inventando a Blitzkrieg instantaneamente. Muitos historiadores desde então têm considerado isso como uma afirmação vazia, negando qualquer divisão radical dentro da doutrina operacional alemã da época, minimizando o conflito como uma mera diferença de opinião sobre os tempos e apontando que a afirmação de Guderian não corresponde ao seu papel reivindicado. ter sido o profeta da Blitzkrieg já antes da guerra.

No entanto, seus escritos pré-guerra rejeitam explicitamente o cerco estratégico apenas por forças motorizadas como geralmente suficiente para causar colapso operacional. Além disso, não há referência explícita a essa tática nos planos de batalha alemães, a blitzkrieg deve ser vista mais do que uma "doutrina", como uma escola de pensamento [15] dentro do exército alemão que teve seus principais expoentes em alguns "jovens" generais (enquanto a idade média do alto comando da Wehrmacht era de 65 anos, Guderian tinha "apenas" 52, Sepp Dietrich 48) muitas vezes combatidos por elementos mais conservadores dentro do Estado-Maior Alemão .

A reação aliada

Os Panzerkorps diminuíram consideravelmente seu avanço, mas se colocaram em uma posição muito vulnerável: foram longe demais, sobrecarregando as linhas de suprimentos e sofrendo, consequentemente, com a falta de combustível e peças de reposição, pois muitos tanques estavam inutilizáveis. Havia agora uma perigosa lacuna entre eles e a infantaria; um ataque determinado por uma grande força mecanizada fresca poderia tê-los cortado e exterminado.

O alto comando francês, no entanto, estava se recuperando do choque da ofensiva repentina e foi atingido por uma sensação de derrota. Na manhã de 15 de maio, o primeiro-ministro francês Paul Reynaud telefonou para o recém-nomeado primeiro-ministro do Reino Unido Winston Churchill e disse: " Fomos derrotados. Estamos derrotados; perdemos a batalha ". Churchill, tentando consolar Reynaud, lembrou-o de quando os alemães romperam as linhas aliadas durante a Primeira Guerra Mundial e foram presos. Reynaud estava inconsolável, no entanto.

Churchill voou para Paris em 16 de maio. Ele imediatamente reconheceu a gravidade da situação ao observar que o governo francês já estava queimando seus arquivos e preparando a evacuação da capital. Em uma triste reunião com comandantes franceses, Churchill perguntou ao general Gamelin : " Onde está a reserva estratégica? " Quem salvou Paris na Primeira Guerra Mundial. " Isso não existe", respondeu Gamelin. Churchill mais tarde descreveu a recepção dessa notícia como o momento mais perturbador de sua vida. Churchill perguntou a Gamelin quando e onde o general pretendia lançar um contra-ataque nos flancos das principais forças alemãs. A resposta de Gamelin foi "inferioridade em números, inferioridade em equipamentos, inferioridade em métodos ”.

Gamelin estava certo; a maioria das divisões da reserva estava engajada. A única divisão blindada ainda na reserva, a segunda DCR, atacou em 16 de maio. Em qualquer caso, as divisões blindadas da infantaria francesa, as Divisões Cuirassées de Réserve, apesar do nome, eram unidades de avanço altamente especializadas, otimizadas para atacar posições fortificadas; eles poderiam ser bastante úteis para a defesa, se entrincheirados, mas tinham pouca utilidade para uma batalha aberta: eles não podiam executar táticas combinadas de infantaria de tanques, pois não possuíam um importante componente de infantaria motorizada e, mais importante, careciam de rádios individuais ( enquanto os alemães tinham um em cada tanque), o que tornava praticamente impossível comandar e controlar em uma batalha de encontro; além disso, eles tinham pouca mobilidade tática como seu Char B1 bis, o principal modelo em que havia sido investido metade do orçamento do tanque, tinha que reabastecer duas vezes por dia. O segundo DCR, assim, tomou partido em uma matriz de proteção, cujas subunidades lutaram bravamente, mas sem efeito estratégico.

Claro, algumas das melhores unidades do norte já tiveram pequenos confrontos com os alemães; se tivessem sido mantidos em reserva, poderiam ter sido usados ​​em um contra-ataque decisivo. No entanto, eles perderam muita força de combate simplesmente movendo-se para o norte; correr para o sul novamente lhe custaria ainda mais. A mais poderosa das divisões aliadas, a I DLM ( Divisão Légère Mécanique , "leve" neste caso significa "móvel"), implantou perto de Dunquerque em 10 de maio, tendo deslocado suas unidades avançadas 220 quilômetros para nordeste, atrás da cidade holandesa de 's-Hertogenbosch, em 32 horas. Descobrindo que os holandeses já haviam recuado para o norte, foi retirado e desviado para o sul. Quando reencontrou os alemães, de seus 80 tanques SOMUA S35 , apenas três estavam funcionando, os demais haviam parado principalmente por avarias.

No entanto, uma decisão radical de recuar para o sul, evitando confrontos, provavelmente poderia ter salvado grande parte das divisões mecanizadas e motorizadas, incluindo o BEF. No entanto, isso significaria abandonar cerca de trinta divisões de infantaria à sua sorte. A mera perda da Bélgica teria sido um grande golpe politicamente. Além disso, os Aliados estavam incertos sobre as intenções dos alemães que ameaçavam avançar em quatro direções diferentes: ao norte, para atacar diretamente a principal força aliada; a oeste, para isolá-lo; para o sul, para ocupar Paris e até para o leste, para se mover atrás da Linha Maginot.

Os franceses decidiram criar uma nova reserva, incluindo um VII Exército reconstituído comandado pelo general Touchon , usando todas as unidades que pudessem ser desviadas da Linha Maginot para bloquear a estrada para a capital francesa. O coronel Charles de Gaulle, no comando da 4ª Divisão Blindada, reunida às pressas, tentou lançar um ataque do sul, obtendo algum sucesso que mais tarde lhe daria considerável fama e promoção a brigadeiro-general. Os ataques de De Gaulle de 17 e 19 de maio, que pareciam salvar Paris por várias semanas, deram poucos frutos quando os exércitos alemães reforçados o forçaram a recuar para o sudoeste.

Em direção ao canal

Enquanto os Aliados fizeram pouco para ameaçá-los ou escapar da ameaça que representavam, os Panzerkorps passaram os dias 17 e 18 de maio para reabastecer, consertar as carroças e descansar os homens. Em 18 de maio, Rommel forçou os franceses a render Cambrai , simplesmente fingindo um ataque blindado. Naquele dia, Reynaud enviou ao primeiro-ministro um lacônico telegrama, que no entanto testemunhava o drama da situação [16] :

"Senhor Churchill, perdemos a batalha!"

Em 19 de maio, o Alto Comando Alemão ficou muito confiante: os Aliados pareciam incapazes de lidar com os acontecimentos. Aparentemente não houve ameaças sérias do sul - na verdade, o general Franz Halder , chefe do Estado- Maior do Exército , sugeriu a ideia de atacar Paris imediatamente para forçar a França a sair da guerra de uma só vez. As tropas aliadas ao norte estavam recuando em direção ao rio Schelde , com seu flanco direito dando lugar às 3ª e 4ª Divisões Panzer. No dia seguinte, o Panzerkorps começou a se mover novamente, rompeu as fracas divisões territoriais britânicas XVIII e XXIII, ocupou Amiense garantiram o controle da ponte mais ocidental sobre o rio Somme em Abbeville , isolando as forças britânicas, francesas, belgas e holandesas ao norte. Na noite de 20 de maio, uma unidade de reconhecimento da 2ª Divisão Panzer chegou a Noyelles , cerca de 100 quilômetros a oeste. Aqui ele podia ver o estuário de Somme fluindo para o Canal da Mancha .

O Plano Weygand

Também em 20 de maio, o primeiro-ministro francês Paul Reynaud destituiu Maurice Gustave Gamelin por seu fracasso em conter a ofensiva alemã e o substituiu por Maxime Weygand , que imediatamente tentou elaborar novas táticas para conter os alemães. Sua tarefa estratégica, no entanto, era mais urgente: ele concebeu o plano Weygand, ordenando isolar a ponta de lança das forças blindadas alemãs com ataques combinados do norte e do sul. No papel, parecia uma missão viável: o corredor pelo qual os dois Panzerkorps de von Kleist haviam se movido em direção à costa tinha apenas 40 quilômetros de largura. Em teoria, Weygand tinha força suficiente para executar o plano: ao norte os três DLMs e o BEF, ao sul, o IV DCR de de Gaulle.

Essas unidades tinham uma equipe de cerca de 1.200 tanques e as divisões Panzer estavam novamente muito vulneráveis, com a condição mecânica de seus veículos se deteriorando rapidamente. Mas as condições das divisões aliadas eram muito piores. Tanto o sul quanto o norte poderiam coletar apenas um punhado de tanques. No entanto, Weygand voou para Ypres em 21 de maio para tentar convencer os belgas e o BEF da validade de seu plano. Naquele mesmo dia, um destacamento da Força Expedicionária Britânica sob o comando do major-general Harold Edward Franklyn já havia tentado pelo menos retardar a ofensiva alemã, talvez para isolar seu ponto avançado.

O resultado foi a Batalha de Arras , que demonstrou a habilidade dos tanques britânicos Mk II Matilda fortemente blindados (as armas antitanque alemãs de 37 mm se mostraram ineficazes contra eles) e cuja ofensiva derrotou dois regimentos alemães. O pânico resultante (o comandante alemão em Arras, Erwin Rommel, relatou ter sido atacado por centenas de tanques, enquanto apenas 58 foram usados ​​em batalha) retardou a ofensiva alemã e permitiu que Weygand, em Paris, desdobrasse mais unidades. Eventualmente, os alemães, graças ao uso de canhões antiaéreos de 88 mm na função antitanque, pararam e repeliram os britânicos até o cume de Vimy no dia seguinte.

Embora esse ataque não fizesse parte de nenhuma tentativa coordenada de destruir os Panzerkorps , o alto comando alemão entrou em pânico muito mais do que o próprio Rommel: por um momento temeu ter sido emboscado e que mil tanques aliados estavam prestes a derrubar suas forças de elite. , mas no dia seguinte eles recuperaram a confiança e ordenaram que o 19º Panzerkorps de Guderian avançasse para o norte, nos portos do Canal de Boulogne e Calais, na retaguarda das forças britânicas e aliadas ao norte. Nesse mesmo dia, 22 de maio, os franceses tentaram atacar de sul a leste de Arras, com infantaria e carros, mas a infantaria alemã já havia se reunido e o ataque, com alguma dificuldade, foi interrompido pela 32. Infanterie - Division .

Weygand, tentando recuperar o controle do exército francês novamente, voou para a frente, mas foi abatido e perdeu contato com o comando. O comandante da Força Expedicionária Britânica ficou quatro dias sem ordens; somente em 24 de maio o primeiro ataque do sul pôde ser lançado, quando o VII DIC, apoiado por um punhado de carros, não conseguiu reconquistar Amiens. Esta foi uma tentativa bastante fraca; no entanto, em 27 de maio, a 1ª Divisão Blindada britânica, transportada às pressas da Inglaterra , atacou Abbeville em força, mas foi derrotada com pesadas perdas. No dia seguinte, de Gaulle tentou novamente com os mesmos resultados: mas, até agora, nem mesmo um sucesso completo poderia salvar as forças do norte.

A Batalha de Dunquerque

Nas primeiras horas de 23 de maio, Gort ordenou a retirada de Arras. Ele não tinha fé no plano de Weygand ou na proposta deste último de pelo menos tentar manter uma mala na costa flamenga, um Réduit de Flandres . Os portos necessários para suprir tal ponto de apoio já estavam ameaçados. Naquele dia, a 2ª Divisão Panzer atacou Boulogne e a 10ª Divisão Panzer atacou Calais. Boulogne durou até 25 de maio, apoiado por destróieres que evacuaram 4.368 homens. Calais, embora reforçado pela chegada do III Regimento Real de Tanques, equipado com Cruzadores e a XXX Brigada de Guardas, caiu nas mãos dos alemães em 27 de maio.

Enquanto a 1ª Divisão Panzer estava pronta para atacar Dunquerque em 25 de maio, Hitler ordenou que ela parasse no dia 24. Esta continua sendo uma das decisões mais controversas de toda a guerra. Hermann Göring convencera Hitler de que a Luftwaffe poderia impedir uma evacuação; von Rundstedt o havia avisado de que qualquer esforço adicional das divisões blindadas levaria a um período mais longo de reabastecimento e manutenção. Atacar cidades não fazia parte dos deveres normais das unidades blindadas em nenhuma doutrina operacional.

Cercados, os britânicos lançaram a Operação Dynamo e a Operação Ariel, evacuando as forças aliadas do Northern Pocket para a Bélgica e Pas-de-Calais , a partir de 26 de maio. A posição britânica foi complicada pelo plano do rei Leopoldo III da Bélgica de se render no dia seguinte, que foi então transferido para 28 de maio.

O ataque italiano dos Alpes

Ícone de lupa mgx2.svgMesmo tópico em detalhes: Batalha dos Alpes Ocidentais e ocupação italiana do sul da França .

Em 2 de junho, os britânicos enviaram o 79º esquadrão da RAF aos Alpes, perto da fronteira com a Suíça, para impedir que os alemães ocupassem o sul da França. O 79º esquadrão era composto por 9 aeronaves e dividido em 4 seções. Em 10 de junho, a Itália declarou guerra à França e à Grã-Bretanha.

Os italianos concentraram 22 divisões, 300.000 homens e 3.000 canhões na fronteira com a França, com grandes forças de reserva no vale do Pó. Na noite entre 12 e 13 de junho os bombardeiros italianos dirigiram-se para o sul da França, Tunísia e Córsega e atingiram Saint-Raphaël , Hyères , Biserta , Calvi , Bastia e a base naval de Toulon .. Durante a batalha dos Alpes Ocidentais (21-24 de junho de 1940), a Itália ocupou uma faixa do território francês (a "linha verde"), com cerca de trinta quilômetros de profundidade, a partir da fronteira ocidental italiana. A ofensiva incluiu todo o arco alpino ocidental, especialmente para as passagens e passagens, e as tropas italianas ocuparam Menton .

A rendição aliada

O melhor e mais moderno dos exércitos franceses havia sido enviado para o norte e perdido no cerco resultante; os franceses haviam perdido o melhor de seu armamento pesado e suas melhores formações blindadas. Weygand enfrentava uma hemorragia na frente que se estendia de Sedan ao Canal da Mancha, e o governo francês começava a perder a fé na possível derrota dos alemães, principalmente porque as forças britânicas estavam evacuando do continente, um evento particularmente simbólico para moral. Francês. Os alemães renovaram sua ofensiva no Somme em 5 de junho. Um ataque liderado por panzers em Paris quebrou as escassas reservas que Weygand havia colocado entre os alemães e a capital, e em 10 de junho o governo francês se refugiou em Bordeaux ., declarando Paris uma cidade aberta . Churchill retornou à França em 11 de junho, reunindo-se com o Conselho de Guerra Francês em Briare . Os franceses, claramente em pânico, queriam que Churchill concedesse todos os caças disponíveis para a batalha aérea sobre a França; com apenas 25 esquadrões restantes, Churchill recusou, acreditando que a batalha decisiva seria travada sobre a Grã-Bretanha (ver Batalha da Grã-Bretanha ).

O primeiro-ministro britânico, nessa reunião, obteve do almirante francês François Darlan a promessa de que a frota francesa não cairia em mãos alemãs. Em 14 de junho, as tropas alemãs entraram em Paris e em 17 de junho o marechal Pétain pediu a rendição.

A luta continuou no leste até que o general Pretelat , comandante do II Grupo de exércitos franceses, foi forçado a se render em 22 de junho. Em 25 de junho de 1940, o armistício foi assinado pela França com as potências do Eixo.

Orçamento e consequências

A subdivisão da França após a vitória alemã: em vermelho os territórios anexados ao Reich , em rosa os territórios ocupados militarmente pela Wehrmacht e em azul o território da França de Vichy .

A França iniciou as negociações do armistício em 22 de junho, e Hitler queria que a paz fosse assinada no mesmo vagão de trem em que foi assinado o armistício de 1918 que marcou o fim da Primeira Guerra Mundial . O novo armistício foi assinado em Compiègne e entrou em vigor em 25 de junho. Posteriormente, o vagão foi transferido para Berlim para comemorar a vitória, mas foi destruído durante os ataques aéreos aliados na capital alemã. Paul Reynaud , o primeiro-ministro francês, tendo assinado um acordo com a Grã-Bretanha sob o qual se comprometeu a não estabelecer uma paz separada com oAlemanha nazista , ele renunciou e foi substituído pelo marechal Philippe Pétain , que foi encarregado de negociar um armistício com a Alemanha.

As cláusulas do armistício

Hitler não pretendia humilhar excessivamente a França, para garantir, senão a aliança, pelo menos a colaboração numa neutralidade que impedisse a Grã-Bretanha de explorar os recursos coloniais franceses. Essa suavidade era justificada pelo fato de que a Alemanha não seria capaz de assumir diretamente o vasto império colonial francês, e parecia mais apropriado que os territórios ultramarinos permanecessem administrados diretamente pelos franceses. Além disso, na ordem europeia que se seguiria à guerra, o ditador alemão considerava a França um importante pilar da "nova Europa". Os alemães figuravam assim, pelo menos em 1940, como um inimigo respeitoso e moderado.

Os franceses também obtiveram a capacidade de manter a frota ancorada em bases no exterior. Os arranjos territoriais definitivos foram adiados para o tratado de paz que interviria no final da guerra. A França foi dividida em duas zonas: o norte do país e uma faixa costeira do Atlântico foram ocupados militarmente pela Alemanha, enquanto o resto do país foi governado por um governo neutro liderado por Pétain, com sede nas termas de Vichy , de onde nome de "Vichy França". O exército francês deveria ser desmobilizado no continente, mantendo uma força mínima suficiente para as necessidades da ordem pública. No entanto, a França poderia manter no exterior as forças necessárias para a guarnição do império colonial. [17]

De Gaulle e France libre

Charles de Gaulle , que havia sido nomeado subsecretário da Defesa Nacional por Paul Reynaud, esteve entretanto acolhido em Londres onde a 18 de Junho transmitiu o seu primeiro apelo à população francesa na Rádio Londres , seguido do de 22 de Junho onde se recusou a reconhecer a legitimidade do futuro governo de Vichy e começou a organizar suas forças sob o nome de France libre . A princípio, De Gaulle, desconhecido da maioria dos franceses, apareceu como um traidor do governo legítimo de Pétain, e levou algum tempo para ele adquirir o prestígio e a autoridade que mais tarde foi reconhecido.

Ao mesmo tempo, a Grã-Bretanha , duvidando da promessa do almirante Darlan de não deixar a frota francesa ancorada em Toulon em mãos alemãs , decidiu atacar os navios franceses ancorados em Mers-el-Kebir , e a França reagiu cortando relações diplomáticas com os Estados Unidos. Kingdom e, em vez disso, iniciando um período de colaboração com o ex-adversário alemão.

Perdas

Há opiniões conflitantes sobre as perdas dos dois lados. Cerca de 27.074 soldados alemães foram mortos, aos quais devem ser adicionados os 111.034 feridos e 18.384 desaparecidos, o que leva a um total de 156.000 homens. No lado aliado, no entanto, 1.900.000 prisioneiros de guerra franceses foram, além dos 90.000 soldados franceses que morreram e os 200.000 feridos; a que devemos acrescentar os 68.111 soldados britânicos, 23.350 belgas, 9.779 holandeses e 6.092 polacos mortos e feridos. Na prática, o exército francês foi aniquilado com mais de 2.292.000 baixas em suas fileiras.

Observação

  1. ^ a b c d e f Maier e Falla 1991 , p. 279 .
  2. ^ Hooton 2007 , pp. 47-48 : Hooton usa os Arquivos Militares Federais de Freiburg im Breisgau .
  3. ^ Boca , p.147
  4. ^ Hooton 2007 , pp. 47-48 .
  5. ^ a b c Frieser 1995 , p. 400 .
  6. ^ Sheppard 1990 , p. 88 .
  7. ^ a b Maier e Falla 1991 .
  8. ^ a b Murray 1983 , p. 40 .
  9. ^ Healy 2007 , p. 85 .
  10. ^ Boca , pág. 161 .
  11. ^ Petacco 1997 , p.20 .
  12. ^ Hooton 2007 , p. 90 .
  13. ^ Em francês La drôle de guerre ; o nome deriva do longo impasse nas operações de guerra depois disso, tendo invadido a Polônia e recebido a declaração de guerra da França e da Inglaterra , a Alemanha não realizou nenhuma operação na frente ocidental por meses, nem a França arriscou nenhuma em sua frente. Oriental.
  14. ^ RH Barry, a relação das forças na história da segunda guerra mundial , p. 221 .
  15. ^ Liddell Hart 1970 .
  16. ^ Petacco 2010 .
  17. ^ Hervé Laroche, As consequências da derrota , em História da Segunda Guerra Mundial , pp. 346-356 .

Bibliografia

  • Giorgio Bocca , História da Itália na Guerra Fascista 1940-1943 , história do Oscar, Milão, Mondadori, 1997, ISBN  9788804426998 .
  • ( DE ) Karl-Heinz Frieser, Blitzkrieg-Legende: Der Westfeldzug 1940, Operationen des Zweiten Weltkrieges [The Legend of the Blitzkrieg: The West Campaign in 1940, WWII Operations] , München, R. Oldenbourg, 1995, ISBN  3-486- 56124-3 .
  • Basil Liddell Hart, História Militar da Segunda Guerra Mundial , tradução de Vittorio Ghinelli , Le Scie Collection, Milão, Mondadori, 1970.
  • Basil Liddell Hart e Barrie Pitt (editado por), História da Segunda Guerra Mundial , direção da edição italiana de Angelo Solmi , Milão, Rizzoli, 1967.
  • ( EN ) Mark Healy, Panzerwaffe: The Campaigns in the West 1940 , editado por John Prigent, vol. I, Londres, Ian Allan, 2007, ISBN  978-0-7110-3239-2 .
  • ( PT ) ER Hooton, Luftwaffe at War: Gathering Storm 1933-39 , Londres, Chervron / Ian Allan, 2007.
  • ( PT ) Klaus A. Maier, Horst Rohde, Bernd Stegemann e Hans Umbreit, Germany and the Second World War , editado por PS Falla, traduzido por Dean S. McMurray e Ewald Osers, vol. II: Conquistas iniciais da Alemanha na Europa , Oxford, Clarendon Press, 2015 [1991] , ISBN  978-0-19-873834-3 . Edição alemã publicada pelo Militärgeschichtliches Forschungsamt [Instituto de Pesquisa Histórica Militar], Freiburg im Breisgau.
  • Williamson Murray, Strategy for Defeat: The Luftwaffe 1933–1945 , Maxwell Air Force Base, AL, Air University Press (publicação do governo dos Estados Unidos), 1983, ISBN  978-1-4294-9235-5 .
  • Arrigo Petacco , Nossa guerra 1940-1945. A aventura de guerra entre mentiras e verdade , história do Oscar, Milão, Mondadori, 1997, ISBN  9788804426752 .
  • Arrigo Petacco, A estranha guerra 1939-1940. Quando Hiltler e Stalin eram aliados e Mussolini estava assistindo , história do Oscar, Milão, Mondadori, 2010, ISBN  9788804600961 .
  • ( PT ) Alan Sheppard, França, 1940: Blitzkrieg in the West , Oxford, Osprey, 1990, ISBN  978-0-85045-958-6 .

Itens relacionados

Outros projetos

Outros projetos

links externos